Giro pelo Esporte!

18922149_1414159865338701_7937374013429415663_nSobre o Gym Festival Trnava, na Eslováquia, realizado nos dias 3 e 4 de junho, uma nova promessa japonesa, Hitomi Hatakeda, conquistou o título individual geral, ao somar 55,100. A ginasta apresentou uma sólida série nas barras paralelas assimétricas, nota D=5,7 | 14,500. A representante da casa, a elegante Barbora Mokosova, conquistou o segundo lugar AA com 53,333. Novamente competindo pela Rússia, Daria Elizarova levou o bronze (52,666).

Sobre as finais por aparelho, Hitomi teve 100% de aproveitamento. Na ocasião, levou as medalhas de prata no salto, trave e solo e o ouro nas barras.

Trnava

Campeonato Alemão

Sem título

Campeonato Mexicano

Sem título .

Fonte e fotos: The Gymter.

Giro pelo Esporte!

Giro pelo esporte!

Alexa Moreno e Ana Lago serão as representantes mexicanas no evento teste do Rio de Janeiro. Lembrando que Ana já conquistou o título panamericano no solo. Na competição que definiu as representantes, Moreno somou 53,200. A segunda colocada foi Ana (52,825), seguida por Nicolle Castro (51,525). Elsa Garcia, um dos principais nomes do país e especialista nas barras, ficou apenas na 4ª colocação, ao somar 50,150. Fonte: Gimnasia Latina

O campeonato russo deste ano, que será realizado entre os meses de março e abril, marcará o retorno de Emin Garibov, que vem de um período de recuperação de lesão, como também o retorno de Aliya Mustafina, que não participou do campeonato mundial do ano passado, também em virtude de lesão. Fonte: Rewriting Gymnastics

Evgeniya Shelgunova (RUS) brilhou na edição 2016 da Igor Vihrov Cup, na Letônia. O evento foi realizado em 13 de fevereiro. Na oportunidade, a ginasta conquistou as 5 medalhas de ouro possíveis.No individual geral pontuou 58,666 (14,700 | 14,666 | 14,800 | 14,500). Fonte: The Gymter

Elizabeth Vasileva é uma das promessas búlgaras. A ginasta que se destacava por sua flexibilidade e artisticidade, têm influências da ginástica rítmica, e debutará este ano na categoria sênior.

Foto: Youtube

Giro pelo esporte!

Brasil conquista título por equipes na Copa Internacional Juvenil

11391414_940073629377021_6657816075123038746_nPor Jerfferson Medeiros

155,200 foi a pontuação que levou o Brasil ao lugar mais alto do pódio na Copa Internacional Juvenil de Gimnasia Artistica, realizada em Cuernavaca, no México. O anfitrião foi o segundo (151,600) e outro time do México levou o bronze (145,800).

Na disputa individual geral, uma dobradinha brasileira, com Thais Fidelis conquistando o vice-campeonato (53,550) e Victoria Custodio a terceira colocação (50,650).

Os resultados já mostram o potencial da nova geração brasileira, e pós-Rio, essas meninas terão muitas oportunidades para firmarem ainda mais seus nomes no âmbito internacional, isso em virtude do potencial que já mostram, confirmado por seus resultados.

Confira os resultados.

Foto: Facebook/CBG

Brasil conquista título por equipes na Copa Internacional Juvenil

Em São Paulo, três nações sobem ao lugar mais alto do pódio no 1º dia de finais

VTPor Jerfferson Medeiros

São Paulo e o Brasil retornaram ao calendário esportivo da FIG, e com grande reestreia. Atletas renomados e de vários países tem mostrado um excelente nível em mais um grande evento, que antecede o Mundial, e decerto dará início às escolhas que integrarão às equipes para Glasgow.

Ontem (02), aconteceram as primeiras finais, e muitos foram os destaques. Vale ressaltar que a competição não seguiu a ordem olímpica.

Começando as disputas, no salto sobre a mesa masculino, o jovem e promissor Ângelo Assumpção aumentou sua nota de dificuldade (6,0|5,6) em relação à classificatória (5,6|5,2), teve notas de execução acima dos 9 pontos, foi o único atleta a superar, na média, os 15 pontos, e clamou o título. Mathias Fahrig (GER) conquistou a medalha de prata (5,6+5,6|14,850), e o brasileiro Diego Hipólito, o bronze (5,6+5,8|14,837). O favorito à prova, Enrique Sepulveda (CHL), que havia se classificado na 1ª colocação, errou o tsukahara com duplo carpado e conquistou a 4ª colocação.

HBNa barra fixa, ouro para o chinês Ruoteng Xiao. Na oportunidade, apresentou a maior nota D da final, 7,0, somou 15,125 e levou o título. A Argentina, com o Nicolas Cordoba, conquistou a medalha de prata (6,5|15,050). A surpresa deste pódio, e merecidamente, foi protagonizada pelo dominicano Audrys Nin Reyes, que apresentou a segunda maior nota de dificuldade, 6,9, pontuou 14,975, e levou o bronze.

Já nas barras paralelas, o título foi arrebatado pelo alemão Lucas Dauser, que travou a disputa com o chinês Xiaodong Zhu. Na classificatória, ambos os ginastas pontuaram 15,650. Dauser somou 15,750 (6,7) nesta final. Zhu, (D=6,5), somou 15,525. Francisco Barreto (BRA) aumentou em um décimo sua nota D, 6,3 para 6,4, superou sua nota da classificatória, finalizou com 15,300 e conquistou a terceira colocação.

BPNo mundial de Nanning, realizado ano passado, Dauser já dava sinais sobre sua promissora série de paralelas. Na final por equipes, conquistou a maior nota, dentre os alemães, 15,366. Vale também destacar, que Xiaodong foi o representante chinês na 1ª edição dos Jogos Olímpicos da Juventude.

Ainda em relação a esta final, o medalhista mundial no WC de 2013, o estadunidense John Orozco foi o quarto colocado (6,7|15,275).

Nos eventos femininos, Yalan Deng (CHN) apresentou dois saltos difíceis, os mais dentre as competidoras, 6,0 e 6,2, respectivamente, e conquistou o título. Rebeca Andrade apresentou as maiores notas de execução desta final, (5,8=9,275|5,2+9,125) e conquistou a medalha de prata com 14,700. A chilena Franchesca Santi foi uma grata surpresa deste evento, onde apresentou um DTY que lhe rendeu 14,725, e na média se manteve acima dos 14, conquistando o bronze. A brasileira Letícia Costa apresentou um DTY, 14,700, e foi a 4ª colocada.

Na final das barras paralelas assimétricas, representando a tradicional escola chinesa e sem a participação de Jiaxin Tan, Chunsong Shang conquistou a medalha de ouro, ao apresentar uma série de 6,7 de dificuldade e pontuar 15,025. As alemãs Sophie Scheder (6,4|14,875) e Elisabeth Seitz (6,4|14,700) conquistaram a prata e o bronze, respectivamente. Elsa Garcia, do México, fez uma grande apresentação, pontuou 14,525 (D=6,0), subindo à quarta colocação. Garcia superou em mais de um ponto sua nota da etapa classificatória.

VT WAG UB

Fotos: Ricardo Bufolin/CBG

Em São Paulo, três nações sobem ao lugar mais alto do pódio no 1º dia de finais