Definidos os atletas para a disputa da American Cup 2018

Definidos os nomes dos atletas que disputarão a edição 2018 da American Cup, que será realizada no dia 3 de março deste ano.

MAG
Kenzo Shirai (JPN) – medalhista de bronze AA no Mundial do Canadá, em 2017;
Yul Moldauer (USA) – 7º colocado no AA do WC 2017;
James Hall (GBR) – medalhista de bronze AA no Campeonato Europeu 2017;
Philipp Herder (GER) – 18º AA no WC 2017;
Joel Plata Rodriguez (ESP) – 24º no AA WC 2017;
Petro Packnyuk (UKR);
Francisco Barreto (BRA);
Wei Sun (CHN).

*Ainda há um nome estadunidense a ser definido.

WAG
Morgan Hurd (USA) – campeã AA no WC 2017;
Mai Murakami (JPN) – 4ª colocada AA no WC 2017;
Elisabeth Seitz (GER) – 9ª colocada AA no WC 2017;
Brooklyn Moors (CAN) – 15ª colocada AA no WC 2017;
Kelly Simm (GBR);
Yi Mao (CHN);
Fabiane Brito (BRA);
Sanna Veerman (NED).

**Ainda há um nome estadunidense a ser definido.

Definidos os atletas para a disputa da American Cup 2018

Divulgado ranking com maiores notas da temporada

downloadO site de The Gymter tem divulgado as melhores notas da atual temporada. No individual geral, o domínio é estadunidense, com a 1ª, 2ª e 4ª colocações. Destas, duas são juniores.

No salto sobre a mesa, o domínio é asiático, com Sae Miyakawa (JPN) – média 14,850 | Rudi e DTY – Jinru Liu (CHN) com 14,625. A brasileira Rebeca Andrade aparece em 3º lugar com 14,600. Já nas barras paralelas assimétricas, a estadunidense Riley McCusker, decepção na American Cup, soma 15,050 e se mantém no topo, juntamente com sua compatriota, a júnior Gabby Perea. Nina Derwael (BEL), atual campeã europeia, aparece na quarta colocação com 14,800, ficando atrás da russa Elena Eremina (14,850).

495351306Na trave do equilíbrio, Tingting Liu (CHN) domina com um expressivo 15,300 conquistado no Campeonato Asiático. A 5ª colocada, a promessa canadense Ana Padurariu desponta como uma das grandes especialistas para este ciclo.
No solo, Mai Murakami e Sae Miyakawa mostram que vem fortes para este ano, ambas estão na 1ª e 2ª colocações, respectivamente.

Em relação às notas D, no VT, Yan Wang, Jinru Liu, Jing Wu e Linxi Li apresentam 11,4. São seguidos pela campeã europeia, Coline Devillard (FRA), que soma 11,2.

Nas UB, Yilin Fan (CHN) apresenta nota D=6,3.

Já na BB, as chinesas dominam. Tingting Liu tem 6,6, Huan Luo 6,5, Yilin Fan 6,3 e a júnior Qi Li tem 6,3. As romenas Catalina Ponor e Larisa Andreea Iordache, ambas da Romênia, vem logo em seguida com 6,2.

No FX, Sae Miyakawa apresentou nota D=6,2 e Mai Murakami vem em seguida com 5,7.

Confira.

Divulgado ranking com maiores notas da temporada

Definida equipe japonesa feminina para o Mundial do Canadá

tumblr_os41chQUYv1v2jkpqo1_500Na medida em que setembro e outubro se aproximam, meses em que será realizada a edição 2017 do Campeonato Mundial de Ginástica Artística em Montreal (CAN), disputas nacionais já tiveram início a fim de definir, também, os times que disputarão o WC. Entre essas nações que já começaram as seletivas está o Japão.

Vale lembrar que o Japão foi quarto colocado nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro (BRA), edição 2016. Na oportunidade, surpreendeu e ficou à frente do Reino Unido da Grã-Bretanha.

Ainda sobre o Japão, duas ginastas já haviam sido selecionadas em eventos anteriores para integrar a equipe, Mai Murakami e Aiko Sugihara, ambas em competições onde se firmaram como AAders.

Já no último fim de semana deste mês, a terra do sol nascente promoveu o nacional por aparatos. Nele, Sae Miyakawa levou os títulos no salto sobre a mesa e no solo, garantindo assim sua vaga enquanto especialista. Sobre Sae, vale mencionar que é um dos possíveis nomes para a final de VT deste mundial, bem como ao pódio, já que salta um Rudi (5,8) e um DTY (5,4).

Outra especialista que garantiu sua vaga foi Asuka Teramoto, uma das melhores generalistas do país. Asuka já conseguiu, em mundiais, ir também a finais por aparelho. No mundial de Nanning (CHN), realizado em 2014, a ginasta ficou a apenas 0,066 do pódio da trave do equilíbrio. A atleta em eventos passados, também já garantiu vaga na final das barras paralelas assimétricas. Costumeiramente salta o Rudi, que tem o mesmo valor do Amanar, 5,8.

Ainda sobre o nacional por aparelhos, outro nome merece ser mencionado, Mai Murakami, que levou a prata no solo. A surpresa dessa atleta não foi a medalha em si, mas o upgrade apresentado no salto. Geralmente ela apresenta um DTY, mas neste evento debutou, com falhas, seu amanar.

Fonte: Doble en Plancha.

Definida equipe japonesa feminina para o Mundial do Canadá