Definida equipe japonesa feminina para o Mundial do Canadá

tumblr_os41chQUYv1v2jkpqo1_500Na medida em que setembro e outubro se aproximam, meses em que será realizada a edição 2017 do Campeonato Mundial de Ginástica Artística em Montreal (CAN), disputas nacionais já tiveram início a fim de definir, também, os times que disputarão o WC. Entre essas nações que já começaram as seletivas está o Japão.

Vale lembrar que o Japão foi quarto colocado nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro (BRA), edição 2016. Na oportunidade, surpreendeu e ficou à frente do Reino Unido da Grã-Bretanha.

Ainda sobre o Japão, duas ginastas já haviam sido selecionadas em eventos anteriores para integrar a equipe, Mai Murakami e Aiko Sugihara, ambas em competições onde se firmaram como AAders.

Já no último fim de semana deste mês, a terra do sol nascente promoveu o nacional por aparatos. Nele, Sae Miyakawa levou os títulos no salto sobre a mesa e no solo, garantindo assim sua vaga enquanto especialista. Sobre Sae, vale mencionar que é um dos possíveis nomes para a final de VT deste mundial, bem como ao pódio, já que salta um Rudi (5,8) e um DTY (5,4).

Outra especialista que garantiu sua vaga foi Asuka Teramoto, uma das melhores generalistas do país. Asuka já conseguiu, em mundiais, ir também a finais por aparelho. No mundial de Nanning (CHN), realizado em 2014, a ginasta ficou a apenas 0,066 do pódio da trave do equilíbrio. A atleta em eventos passados, também já garantiu vaga na final das barras paralelas assimétricas. Costumeiramente salta o Rudi, que tem o mesmo valor do Amanar, 5,8.

Ainda sobre o nacional por aparelhos, outro nome merece ser mencionado, Mai Murakami, que levou a prata no solo. A surpresa dessa atleta não foi a medalha em si, mas o upgrade apresentado no salto. Geralmente ela apresenta um DTY, mas neste evento debutou, com falhas, seu amanar.

Fonte: Doble en Plancha.

Definida equipe japonesa feminina para o Mundial do Canadá

Giro pelo Esporte!

18922149_1414159865338701_7937374013429415663_nSobre o Gym Festival Trnava, na Eslováquia, realizado nos dias 3 e 4 de junho, uma nova promessa japonesa, Hitomi Hatakeda, conquistou o título individual geral, ao somar 55,100. A ginasta apresentou uma sólida série nas barras paralelas assimétricas, nota D=5,7 | 14,500. A representante da casa, a elegante Barbora Mokosova, conquistou o segundo lugar AA com 53,333. Novamente competindo pela Rússia, Daria Elizarova levou o bronze (52,666).

Sobre as finais por aparelho, Hitomi teve 100% de aproveitamento. Na ocasião, levou as medalhas de prata no salto, trave e solo e o ouro nas barras.

Trnava

Campeonato Alemão

Sem título

Campeonato Mexicano

Sem título .

Fonte e fotos: The Gymter.

Giro pelo Esporte!

Japão e China dominam Campeonato Asiático

A Tailândia sedia a edição 2017 do Campeonato Asiático e as disputas juniores já tiveram início. No masculino, o Japão conquistou o título por equipes. China e Taipé Chinês conquistaram a segunda e terceira colocações, respectivamente.

Na disputa individual geral, novamente o Japão mostra seu poderio, com uma dobradinha, ouro e bronze. Kakuto Murayama em 1º (80,950), Ziyue Ma, CHN, em 2º (79,950) e Shiga Tachibana em 3º (79,650).

asian-jr-championships-aa-men

Já na disputa feminina, a China manteve a tradição e conquistou o título por equipes. Japão e Coreia do Sul completaram o pódio. No AA, a chinesa Yile Chen desponta como um dos futuros promissores nomes do país para as competições. Na ocasião, ela arrebatou o ouro somando 55,000. As japonesas Chiaki Hatakeda (51,900) e Mana Oguchi (51,700) levaram a prata e o bronze.

Sem título

 

Japão e China dominam Campeonato Asiático

Hatakeda vence Gymnix Cup

zvqW4ETO Canadá foi palco de mais uma edição da International Gymnix Cup. No evento, uma japonesa teve 100% de aproveitamento e se sagrou rainha do evento. Seu nome, Hitomi Hatakeda.

A ginasta japonesa conquistou o ouro no individual geral ao somar 54,635. Na oportunidade, desbancou a representante e finalista olímpica canadense, Shallon Olsen (53,401), que levou a medalha de prata, e a estreante Brooklyn Moors (53,001), que levou o bronze.

Dando início às disputas por aparelho. Olsen conquistou a medalha de ouro no salto sobre a mesa ao apresentar um limpo DTY, 5,4/14,500. Mesmo não conquistando o lugar mais alto no pódio, a final foi protagonizada pela uzbeque Oksana Chusovitina, que conquistou a medalha de prata (14,475). Hatakeda conquistou o terceiro lugar com 14,025.

Dando continuidade às finais, Hatakeda conquistou sua segunda medalha de ouro, dessa vez nas barras paralelas assimétricas. Pontuou 13,825 e apresentou uma nota de dificuldade de 5,5.

Sagrando-se como ginasta mais condecorada do evento, a japonesa levou, ainda, os títulos na trave do equilíbrio (4,9/13,350) e no solo (5,2/13,600).

Confira os resultados.

Fotografia: Alexandra Leask | The Gymter

Hatakeda vence Gymnix Cup

Definidos nomes para a copa de Stuttgart

Stuttgart, na Alemanha, será palco, entre 17 e 19 de março, da tradicional copa de ginástica artística. Nesta edição, teremos a presença de alguns atletas olímpicos. O evento marca o retorno de Larisa Iordache, bem como a estreia da promissora estadunidense, Jordan Chiles.

A competição, que é individual geral, contará com a presença de ginastas de sete países, no feminino, e oito, no masculino. Confira a lista:

WAG

Canadá: Isabela Onyshko (18ª no AA dos Jogos do Rio);

China: Zhang Jin (represente chinesa no evento teste pré-olímpico);

Grã-Bretanha: Claudia Fragapane (10ª no AA do WC de Nanning);

Alemanha: Tabea Alt (integrante da equipe que conquistou a 6ª colocação no ef);

Alemanha: Pauline Schaefer (19ª no AA do WC de Glasgow);

Holanda: Eythora Thorsdottir (9ª no AA dos Jogos do Rio);

Romênia: Larisa Iordache (2ª no AA do WC de Nanning e 3ª em Glasgow);

Estados Unidos: Jordan Chiles (debutante na categoria sênior e promessa estadunidense para o ano).

MAG

Brasil: Francesco Carlos Barreto Júnior (integrante da equipe que conquistou a 6ª colocação nos Jogos do Rio);

China: Sun Wei (promissor ginasta, especialista no cavalo com alças);

Grã-Bretanha: James Hall (outro dos promissores ginastas da escola britânica);

Alemanha: Lukas Dauser (especialista nas barras paralelas);

Alemanha: Philipp Herder (um dos promissores AAders alemães, haja vista sua regularidade);

Japão: Kazuma Kaya (especialista no cavalo com alças no WC de Glasgow);

Rússia: Nikita Ignatyev (bronze no AA dos Jogos de Baku);

Ucrânia: Oleg Vernaiev (vice-campeão olímpico).

Estados Unidos: Samuel Mikulak (7º no AA dos Jogos do Rio e campeão panamericano).

Definidos nomes para a copa de Stuttgart

Ainda por Glasgow, alguns destaques!

imagesPor Jerfferson Medeiros

Ainda em Glasgow, alguns destaques do campeonato mundial de ginástica artística (GBR).

Além da Grã-Bretanha ter, na disputa feminina, conquistado um resultado inédito para o país, desbancando a Rússia do pódio, e o bronze de Larisa Andreea Iordache, que se redimiu frente aos resultados obtidos na etapa classificatória, o mundial foi palco de várias surpresas.

Comecemos com a prata do cubano Manrique Larduet Bicet, melhor americano na disputa mais completa do WC. A medalha do atleta marcou o retorno de Cuba às grandes competições. O atleta somou 90.698.

Ainda na disputa individual geral, destaque para o retorno da China – bronze do Shudi Deng – ao pódio. Desde 2008, com Wei Yang, o país não figurava entre os três primeiros colocados.

Uma decepção foi protagonizada pelo ucraniano, atual campeão europeu e dos Jogos de Baku, Oleg Verniaiev, que ficou na quarta colocação no AA.

Outro destaque foi a conquista do ouro de Eleftherios Petrounias (GRE) nas argolas. O atleta desbancou grandes nomes, a exemplo de chineses, ucranianos, brasileiro e russos, para arrebatar o título. A última grande conquista grega neste aparelho veio nos Jogos Olímpicos de Atenas, em 2004, com Dimosthenis Tampakos, que levou o ouro.

Algo incomum foi visto em terras britânicas. A final das barras paralelas assimétricas coroou quatro campeãs, duas russas, uma chinesa e uma estadunidense.

A final do salto também foi marcada por uma participação histórica, com a indiana Dipa Karmakar, que finalizou na 5ª colocação, saltando Produnova.

A final do solo feminino foi bastante acirrada, tendo Simone Biles (USA) defendendo mais um título. Além de Ksenia Afanasyeva (RUS), que fez um espetáculo à parte em artisticidade, o destaque foi para Chunsong Shang (CHN), Sae Miyakawa (JPN) e Elissa Downie (GBR), que mostraram um excelente nível competitivo.

A trave do equilíbrio foi marcada por quedas e falhas das atletas. Simone Biles (USA), com uma grande e segura série, defendeu seu título, mas as surpresas foram protagonizadas por Sanne Wevers (NED) e Pauline Schaefer (GER) que levaram a prata e o bronze, respectivamente.

Foto: Foto: gettyimages Ian MacNicol

Ainda por Glasgow, alguns destaques!

EUA faz dobradinha no individual geral

bandeira-EUA-905x500Por Jerfferson Medeiros

A final do individual geral feminino, realizada nesta quinta-feira (29), foi marcada pelo domínio estadunidense. Simone Biles se tornou tricampeã mundial e Gabrielle Douglas, atual campeã olímpica, a vice.

Se não me falha a memória, a última vez que uma campeã olímpica medalhou em uma disputa AA num WC foi em 1981, com Yelena Davydova (URSS). Hoje, Douglas faz parte da história, repetindo o feito da russa. E falando em Rússia, desde 2010 a nação tinha um representante no pódio. Resultado este, interrompido.

O destaque de hoje, além do já previsível ouro de Biles, foi o bronze de Larisa Iordache (ROU), que superou a si mesma, às pressões e cobranças, fez o que se propôs a fazer e conquistou um excelente resultado, desbancando outras favoritas, a exemplo da campeã europeia, Giulia Steingruber (SUI), e da campeã panamericana, Elsabeth Black (CAN). Iordache fechou sua apresentação nas barras paralelas, aparelho que não é o seu mais forte, mas não decepcionou e pontuou expressivos 14,800, o suficiente para lhe assegurar no pódio.

1ª rotação

Na trave do equilíbrio, a romena Iordache pontuou 14,766 (D=6,3). No salto sobre a mesa, Simone Biles (USA) saltou amanar e pontuou 15,833. Giulia Steingruber (SUI), fez um excelente rudi, 15,600.

Flávia Saraiva (BRA) errou na trave, sofreu duas quedas, e somou 12,226. Já Chunsong Shang (CHN) acertou sua série nas paralelas e pontuou 15,166 (D=6,7).

Biles 15,833 | Steingruber 15,600 | Douglas 15,300 DTY

2ª rotação

A japonesa Asuka Teramoto acertou o  rudi e pontuou 15,166. Laura Jurca (ROU) fez um limpo DTY e somou 15,133. Outro destaque dessa rotação foi a chinesa Shang que fez 14,700 na trave, subindo à terceira colocação.

Biles 30,733 | Douglas 30,333 | Shang 29,866

3ª rotação

Simone Biles abriu a terceira rotação, não fez a trave que costuma fazer, desequilibrou e somou 14,400. Outras favoritas foram derrubadas pela trave, como Black e Steingruber.

Nesta rotação, alguns bons resultados foram obtidos por Shang no solo (14,533 | 6,6), por Iordache no salto (15,066 | DTY) e por Elisabeth Seitz (GER) nas barras (15,233 | 6,6). Simone continuou, ao término das apresentações, liderando.

Biles 45,133 | Douglas 44,733 | Shang 44,339 | Iordache 44,307

4ª rotação

Esta foi uma disputadíssima rotação. Shang, que estava entre as três primeiras, saltou um FTY, liderou por um tempo, mas veio Iordache com uma excelente prova de UB (14,800 | 6,3), a desbancou e se garantiu no pódio. Biles fechou sua participação no solo, pontuou acima dos 15,000 e conquistou mais uma medalha dourada para sua coleção.

Biles 60,399 | Douglas 59,316 | iordache 59,107

Confira os resultados.

Fonte: FIG.

EUA faz dobradinha no individual geral

Em Glasgow, Japão conquista título por equipes

japan-flagPor Jerfferson Medeiros

Desde 2003, no Campeonato Mundial de Anaheim, nos Estados Unidos, a China conquista todos os títulos por equipes. Já o Japão, nos últimos anos, separados do ouro por pouquíssimos pontos. Hoje, a situação foi diferente e os japoneses venceram sua rival, que foi também desbancada pela Grã-Bretanha, que levou a medalha de prata.

Foi vista nesta quarta-feira, 28, uma disputadíssima final, um pódio que se manteve inconstante e incerto até os últimos aparelhos e séries, dado o alto nível, excelentes atletas, como também as falhas.

Na primeira rotação, o destaque foi japonês com Kenzo Shirai somando expressivos 16,325, a nota mais alta da competição. Kohei Uchimura (JPN), que na etapa classificatória caiu, se redimiu e pontuou 15,800. No cavalo com alças, a tradição britânica foi representada, e Max Whitlock teve uma nota de 15,700.

Ainda nesta rotação, a Coreia do Sul, que não contou com a presença de sua estrela, Hak Seon Yang, foi representada por Hansol Kim, que não decepcionou. O ginasta pontuou 15,400 no seu salto e cumpriu bem o papel de substituir seu compatriota.

E foi assim que terminou a primeira rotação: Japão 47,258 | Estados Unidos 45,066 | Grã-Bretanha e Coreia do Sul 44,999

2ª Rotação

No cavalo com alças, os chineses cometeram muitas falhas e isso comprometeu, decerto, sua nota final. Chaopan Lin teve problemas e sequer chegou aos 13,500 e Ruoteng Xiao sofreu uma queda e somou apenas 13,433.

A Rússia, nas argolas, também cometeu falhas. O especialista Denis Ablyazin teve a nota de 14,433.

Já nas barras paralelas, o veterano e medalhista olímpico, Wonchul Yoo (KOR) somou 15,433, levando a Coreia à frente da China e Rússia.

JPN 92,424 | USA 89,690 | KOR 88,831

3ª rotação

Esta foi uma rotação de grandes notas para os americanos, com Donnell Whittenburg somando 15,600 e Danell Leyva, atual vice-campeão mundial, pontuando 15,800. Na barra fixa, o brasileiro Arthur Nory Oyakawa Mariano manteve sua boa atuação na HB e somou novamente acima dos 15.

Ainda nesta rotação, o russo Denis Ablyazin fez 15,700 no salto sobre a mesa. Já os chineses tiraram a diferença nas argolas em relação às más notas obtidas no cavalo com alças, com Yang Liu, atual campeão mundial, somando 15,766 e Hao You, 15,633.

JPN 136,222 | USA 135,823 | GBR 134,164

4ª rotação

Nesta rotação, alguns dos destaques em termos de nota foram: Pablo Braegger (SUI), que na barra fixa somou 15,433, Paul Ruggeri III (USA) com 15,466 e Danell Leyva (USA) com 15,666.

Nas barras paralelas, os russos impuseram excelentes séries que lhes renderam altas notas. Nikita Ignatyev e David Belyabskiy pontuaram 15,400 e 15,600, respectivamente. No salto sobre a mesa, Kenzo Shirai, que se classificou para a final, apresentou seu TTY e conseguiu 15,533.

JPN 181,988 | USA 181,888 | RUS 179,931

5ª rotação

Após finalizada a quarta rotação, apenas 2,292 separam a 1ª da 4ª colocada.

Nesta fase, o Japão, que liderava, contou com as boas apresentações de Ryohei Kato (15,533) e Kohei Uchimura (15,866). Yusuke Tanaka sofreu uma queda e somou apenas 14,266. Mesmo assim, o país se manteve firme na disputa pelo título.

A China mostrava sinais de que iria se recuperar. Foram grandiosas as apresentações mostradas nas PB com Hao You (15,933), Chaopan Lin (15,766) e Shudi Deng (16,066). A diferença pro pódio, talvez pro ouro, começava a diminuir e o país já estava na terceira posição, se distanciando em quase um ponto da GBR.

JPN 227,653 | USA 225,821 | CHN 225,560

6ª rotação – última e decisiva

A incerteza de quem comporia o pódio era real e a ansiedade aparente. Os britânicos fecharam no solo, com três especialistas, e com Max somando 15,766 e ultrapassando a China e Rússia.

O JPN viveu momentos tensos, com as quedas de Yusuke Tanaka (13,666) e Kohei Uchumira, contudo a somatória acumulada ao longo da competição resultou no ouro. Nos últimos anos, vale destacar, a última nação que levou o título por equipes, que não a China em um WC, foi a Bielorrúsia em 2001.

1) JPN 270,818

2) GBR 270,345

3) CHN 269,959

4) RUS 268,362

5) USA 267,853

6) SUI 261,660

7) KOR 260,035

8) BRA 259,577

Fonte: FIG

Em Glasgow, Japão conquista título por equipes

Britânicas conquistam um bronze dourado

flag-of-britainPor Jerfferson Medeiros

Nesta terça-feira, 27, foram conhecidos os primeiros medalhistas do campeonato de Glasgow, na Grã-Bretanha. Os Estados Unidos mantiveram sua hegemonia, pontuou 181,338, e conquistou a medalha de ouro. As estadunidenses lideraram todas as rotações.

A China, que obteve a maior soma nas barras paralelas assimétricas, conquistou o vice-campeonato ao pontuar 176,164. E o destaque de hoje foi sem dúvidas a Grã-Bretanha, que conquistou a medalha de bronze. Um bronze que veio com gosto de ouro, refletindo o excelente trabalho de base que veio sendo feito ao longo dos últimos anos.  As britânicas fizeram o seu trabalho, mostraram tamanha limpeza nas execuções de todas as séries e o resultado veio, o lugar no pódio e desbancando tradicionalíssimas nações.

A Rússia, por menos de um ponto, perdeu seu lugar no pódio. Foram quatro quedas, que comprometeram completamente suas apresentações e nota final, incluindo nas barras paralelas.

Esta final marcou a fragilidade em que se encontra o G4 da ginástica feminina, uma vez que Romênia, depois de muitos anos, não esteve presente na final e a Rússia mostrou resultados e notas muito aquém do que costuma conquistar.

O Japão ficou na quinta posição, com excelentes performances de sua debutante na categoria sênior, Sae Miyakawa. O Canadá veio em 6º, Itália em 7º e a Holanda em 8º.

Amanhã, 28, acontece a final por equipes masculinas.

Confira o resultado.

Fonte: FIG

Britânicas conquistam um bronze dourado

Brasil e Cuba são alguns dos destaques deste 2º dia de classificatórias

mmmmPor Jerfferson Medeiros

Encerrou-se nesta segunda-feira, 26, a etapa classificatória do Campeonato Mundial de Ginástica Artística. Na disputa por equipes masculinas, o destaque foi para Suíça, Brasil, que fez história ao levar, pela primeira vez, uma equipe completa para uma olimpíada, e Coreia do Sul, que volta a disputar uma final. Alemanha, França, Holanda, Ucrânia, Espanha, Romênia, Canadá e Bielorrússia disputarão o evento teste próximo ano.

No individual geral, destaco o 2º lugar de Oleg Verniaiev. A diferença de Kohei Uchimura para Oleg nesta etapa foi de apenas 0,433. Contudo, o grande destaque de hoje foi decerto a classificação do cubano Manrique Larduet Bicet, que somou 88,656 e segue na 7ª colocação. Há mais de uma década Cuba não participa de campeonatos mundiais. Nesta WC, volta muito bem representada e com chances reais de pódio, não apenas por aparelhos, mas no individual geral.

Bicet se classificou também para a disputa no solo. Quantos as dificuldades apresentadas nesta fase, enfatizo, além da nota D=7,6 de Kenzo Shirai (JPN), 4 notas 6,8, 2 notas 6,7 e uma 6,5. Será uma prova bastante disputada. Uma decepção foi protagonizada tanto por Denis Ablyazin (RUS), atual campeão mundial, quanto por Marian Dragulescu (ROU), que sofreu uma queda e não passou para a próxima etapa.

O cavalo com alças foi marcado por falhas de renomados atletas, a exemplo do especialista e multimedalhista mundial, Krizstian Berki (HUN), Filip Ude (CRO), Saso Bertoncelj (SLO), Prashanth Sellathuroi (AUS), o francês Cyril Tommasone, entre outros.Esta também será uma disputa acirradíssima, apenas 0,367 separaram o 1º do 8º colocado.

Nas argolas, viu-se um grande nível, dificuldades e altas notas de execução. Infelizmente o atual campeão olímpico, Arthur Zanetti ficou de fora da final, sendo o primeiro reserva. Estados Unidos e China são os únicos países, nesta final, que levarão dois atletas cada. Destaque de hoje foi a excelente performance de Davtyan Vahagn, da Armênia, que pontuou 15,566 e ocupa a quarta colocação.

Já no salto sobre a mesa, o destaque foi o retorno do romeno Marian Dragulescu à final. Na média, o multicampeão pontuou 15,416 e segue na 3ª posição.

Na barras paralelas, foi obtida a maior nota de toda competição, conquistada pelo especialista Oleg Verniaiev, que somou 16,133, com uma nota de dificuldade de 7,1, e uma execução superior aos 9 pontos.

Finalizando a competição, uma decepção foi protagonizada por um grande especialista, o chamado holandês voador, Epke zonderland, que errou e conquistou apenas a 31ª posição.O estadunidense Danell Leyva lidera com 15,566.

Os ginastas que mais se classificaram para finais individuais foram: Oleg Verniaiev (AA, PH, VT e PB) e Manrique Larduet Bicet (AA, FX, PB e HB).

Confira os resultados.

Fonte: FIG |  Foto: Manuel Velasquez Figueroa – Jam Media

Brasil e Cuba são alguns dos destaques deste 2º dia de classificatórias